Dicas e Turismo

Dicas para dirigir no exterior

Conteudo

Nas viagens de férias ou até mesmo para quem terá uma estadia mais longa em outros países, ter habilitação para dirigir traz diversas vantagens e também pode abrir algumas oportunidades de emprego. A aquisição da carteira internacional é um procedimento simples, mas cada país tem suas próprias exigências. Confira algumas delas e saiba o que fazer para dirigir em qualquer lugar do planeta.

Cont 2

Permissão Internacional para Dirigir

Conhecida como PID, ela é um documento aceito por 100 países e assinado em 2006 pelo Brasil, reconhecido como um único documento que autoriza a dirigir internacionalmente. Essa permissão foi estabelecida por acordos internacionais que também inclui a Convenção Interamericana de Tráfego, assinada em 1943 e que padroniza os métodos de sinalização e organização nas vias e estradas.

A PID é válida por um ano, não podendo ser renovada. Ou seja, no caso de uma nova viagem é necessário tirá-la novamente para estar seguro e autorizado a dirigir. Ela vem com informações em diversos idiomas, o que facilita na tradução e leitura de autoridades nos países estrangeiros. Para obtê-la é necessário ter a CNH dentro da validade e consultar o Departamento Estadual de Trânsito da cidade. Caso a validade da carteira brasileira expire antes da PID, ambas terão de ser renovadas.

Cont 3

Aluguel

Para alugar um veículo, a maioria das seguradoras exige apenas o passaporte e a carteira de habilitação do país de origem, não necessitando de PID. Em países como Estados Unidos, Reino Unido e Espanha o documento raramente é exigido pelas autoridades. Entretanto, dependendo da localização é rigorosamente fiscalizada, como na Coreia do Sul.

Especificidades

Cada país possui leis de trânsito exclusivas, o que muitas vezes facilita ou dificulta o processo de aquisição de autorização para pilotar nessas regiões. Por isso, antes de qualquer iniciativa é necessário se inteirar com o Consulado e pesquisar sobre as exigências apresentadas para cada estado. Além disso, antes de viajar vale a pena ler e se inteirar sobre a legislação de trânsito no país, tendo em vista o comportamento do motorista, regras e punições em caso de infrações.

No caso da região do Mercosul, por exemplo, é permitido dirigir com posse apenas da Carteira de Identidade e a CNH válida. É importante, entretanto, certificar-se de que esse documento seja recente, com menos de dez anos. E o documento do veículo também deve estar no nome do motorista, necessitando de uma autorização no caso de uma outra pessoa no volante.

Outra especificidade de alguns países, como é o caso do Reino Unido, Japão, Coreia do Sul, Hong Kong e territórios de colonização inglesa, o volante fica no lado direito do veículo. Esse detalhe pode parecer simples, mas dificulta muito na adaptação e na maneira de dirigir, sendo necessário se instruir e praticar antes para evitar acidentes.

No caso do Japão e China, a possibilidade de dirigir sendo um turista é extremamente limitada. As barreiras impostas são grandes e as leis são bastante rígidas quanto a qualquer tipo de deslize em relação ao código. Por isso, nesses locais é melhor alugar um carro com motorista ou utilizar outras formas de transporte.

Cont 1

Placas

As placas de sinalização dentro de empresas, empreendimentos particulares como shoppings e lojas de departamentos, além das que auxiliam motoristas em aeroportos e ruas, obedecem certos padrões internacionais, facilitando o entendimento para muitos visitantes. Elas oferecem sinais que são facilmente interpretados, mesmo que o turista não conheça a língua local ou saiba ler o dialeto. É importante ficar atento a elas, principalmente em relação ao limite de velocidade. Na Alemanha, as autoestradas não possuem limite, mas em outros países europeus e nos EUA a média é de 120 km/h nas estradas principais e 90 km/h nas menores.

Conteúdo by Conversion


Seja o primeiro a comentar

Ninguem comentou ainda.

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Comente aqui

twitter

Me on Google+